sábado, setembro 27, 2014

no aeroporto

passava pouco das 8h30 daquela manhã de agosto. acabara de chegar ao aeroporto e levava consigo um frenesim interno difícil de definir. sentia-o nos braços, no estômago, no peito. subia-lhe à face e sorria como quem respira.

as "chegadas" do aeroporto estavam apinhadas. havia muitas pessoas por todo o lado. os que chegavam, os que recebiam os recém-chegados e os que esperavam. distinguir entre uns e outros era uma questão de atenção. os sorrisos nas faces de uns ajudavam a perceber quem já tinha recebido os seus, as flores nas mãos de outros indicavam quem tinha chegado, as crianças nos colos dos pais uniam famílias que não se deviam separar.
e esperava. olhava para todo o lado para não escapar a recepção. teria já chegado? eram quase 9 da manhã, entretanto. estaria discretamente sentado? andaria já por ali?! não lhe escaparia por certo. passara-se bastante tempo desde a última vez que se haviam encontrado, mas não lhe escaparia por certo!
não escapou! perto das 9h lá vinha a sair da zona dos passageiros. cabelo negro, pólo bordeaux, mochila às costas, um saco na mão. caminhava com a cabeça erguida à sua procura. já o vira. ainda não tinha sido vista. sorria. sorria como quem respira. viram-se. seguiram-se alguns segundos que não lhe ficaram registados. são os dos passos até ao encontro de um com o outro. não se lembra dos passos. lembra-se dos sorrisos, de braços abertos, não exageradamente abertos, apenas o suficiente para se acolherem. acolheu-a. entregou-se. sentiram-se. e naquela abraço mergulhou para dentro do seu peito. e ficou lá. lá dentro ouviu um beijo sonoro e carnudo na sua bochecha direita. olharam-se com um sorriso que nasce nos olhos e desce até à boca. absorveu a sua cara com as mãos. ele entrou-lhe pelas mãos. olharam-se de novo. não tinha passado tempo algum e o aeroporto tinha desaparecido!

sábado, setembro 20, 2014

excerto de "O segredo de Compostela"

"O mestre explicara-lhe que desde tempos imemoriais, havia gente de sítios distantes, nomeadamente das Gálias, mesmo antes de aquelas terras pertencerem a Roma, que seguia o caminho das estrelas, orientada pela Via Láctea, em direcção ao mar da finis terrae, perto da villa onde viviam. - Mas o que vêm fazer, ao certo, a este lugar? - Nós vivemos num lugar mágico, o último reduto da Terra. É o lugar onde o Sol se põe todos os dias para, no seguinte, voltar a nascer.- Assim, os homens que querem fazer uma viagem interior, para crescerem espiritualmente como homens novos, seguem o caminho das estrelas e vêm render homenagem ao sol, para renascerem com ele na manhã seguinte. -Não entendo muito bem o que dizes... -Um dia, perceberás estes homens especiais, os peregrinos da Via Láctea. Os que viajam em busca da redenção interior, através de um caminho de perfeição. - E porque seguem a Via Láctea? - Porque simboliza o caminho das almas para o outro mundo. Numa noite de luz, repara como ela se orienta do lugar de onde o sol nasce para este lugar, onde se põe...- respondeu o Lívio, passeando o olhar através da abóbada celeste. -Não deve ser muito fácil esse caminho...Normalmente, parecem pedintes e malcheirosos. -É evidente! Os caminhos de perfeição são compostos por muitos escolhos...- Vêm com o único propósito de...se encontrarem a si próprios. Esse é o fim de qualquer peregrinação.”

domingo, setembro 14, 2014

Seja como for, Banda do Mar



Meu bem, você pra mim é privilégio (e elogio!)

Sorte grande de uma vez na vida (de uma, de duas, três e todas as vividas!)
Minha chance de ter alegria (n diria tanto! tenho a felicidade de várias alegrias!)
Não importa quando, como, onde (é que não importa mesmo! mas se o "quando" poder ser com intervalos pequenos será melhor ainda!)
Somos o nosso próprio rei  ... 


sexta-feira, setembro 12, 2014

Mais ninguém, banda do mar

"Mais Ninguém" recebe o prémio de canção mais viciante do fim do verão. Faz parte do disco estreia da "Banda Do Mar" grupo da tripla Mallu Magalhães e Marcelo Camelo (casal de músicos brasileiros residente em Lisboa) e Fred (o omnipresente baterista português, elemento dos Buraka, Orelha Negra, 5-30, e não sei quantas bandas mais).

E não é que faz sentido!!

sábado, setembro 06, 2014

ou um estado de arte

Mantende-vos juntos, 

mas nunca demasiado próximos: 
porque os pilares do templo 
elevam-se, distanciados, 
e o carvalho e o cipreste 
não crescem à sombra um do outro. 
.
in "O Profeta", de Khalil Gibran