quinta-feira, dezembro 22, 2011

O meu postal de Natal 2011

Escolhi para postal de Natal 2011 as minhas palavras apoiadas por esta bem humorada banda sonora!

Natal é sinónimo de (re)nascimento e, nesta época do ano, somos vários a repensar o ano que passou e a projectar, carregados de esperança, o ano que se segue. (Descancem, vou poupar-vos à minha própria reflexão!)
Será no facto de sermos vários que reside a grandeza do momento. Milhões de pessoas entram num modo, mais ou menos profundo, de alguma reflexão e à volta desse movimento interior gera-se um despertar de inúmeras emoções que nos caracterizam: a compaixão, a solidariedade, a saudade...Ao longo do ano, cada um de nós terá (felizmente!)outros momentos destes, como é o caso do nosso aniversário, contudo, agora somos milhares, milhões de pessoas nesta sintonia e isso ajuda a que esses sejam dias melhores! 

Este meu postal de Natal 2011é um GIGANTE agradecimento a TODOS aqueles que contribuiram para o balanço positivo do meu ano de 2011. Reencontrei-me na minha essência, com um quê de boa surpresa do desconhecido em mim, fruto de importâncias vivências experimentadas, apoiadas, vividas com cada um de vocês. E tudo valeu, mesmo quando não parecia!

Neste  meu postal de Natal 2011 trago também um pequeno desejo para 2012: o início de um treino de alguns segundos a "olhar para dentro" em busca de uma súbita sensação de realização! Ela está aí! Procurem bem!


terça-feira, novembro 01, 2011

Failing to Succeed Movie

Failing to Succeed Movie: Yes, it is a challenge to succeed; you've got to become a good planner, and a good dreamer. You've got to see the future finished in advance. You've got to put in the long hours and put up with the setbacks and the disappointments. You've got to learn to enjoy the process, because challenges are part of success.

quinta-feira, outubro 27, 2011


And so it is
Just like you said it would be
Life goes easy on me
Most of the time
And so it is
The shorter story
No love, no glory
No hero in her skies

I can't take my eyes off you
(...)

And so it is
Just like you said it should be
We'll both forget the breeze
Most of the time
And so it is
The colder water
The blower's daughter
The pupil in denial

I can't take my eyes off you
(...)

Did I say that I loathe you?
Did I say that I want to
Leave it all behind?

I can't take my mind off you
(...)
My mind...my mind...
'Til I find somebody new 

quarta-feira, outubro 19, 2011

Keep going Tania! Keep going!

Hoje, após 11 horas de um longo dia de trabalho, duas pequenas (vá, médias) e boas conversas bastaram para uma boa reflexão pessoal. Posto isto, já durante o relaxamento do serão, eis que me detive na leitura das minhas próprias escritas. Conclusão do dia: continua a "caminhar"! Afinal, já dizia Mahatma Gandi: " A felicidade não está no destino, mas no caminho precorrido". Keep going Tania! Keeeeeeeeep goinnnnng!

domingo, setembro 18, 2011

Em que buraco estás?


Capítulo 1
Eu ando por uma rua.
Há um buraco fundo no meio da rua.
Eu caio no buraco.
Não é minha culpa.
Demora uma eternidade para eu conseguir sair.
Capítulo 2
Eu ando pela mesma rua.
Há um buraco fundo no meio da rua.
Eu finjo não ver o buraco.
Eu caio de novo.
Eu não posso acreditar que cai no mesmo lugar.
Mas não é minha culpa.
Demora muito para eu conseguir sair.
Capítulo 3
Eu ando pela mesma rua.
Há um buraco fundo no meio da rua.
Eu vejo o buraco.
Eu ainda assim caio no buraco...é um hábito.
Meus olhos estão abertos.
Eu sei onde eu estou.
É minha culpa.
Eu saio imediatamente.
Capítulo 4
Eu ando pela mesma rua.
Há um buraco fundo no meio da rua.
Eu dou a volta e não caio no buraco.
Capítulo 5
Eu ando por outra rua.
                                               Fernando Pessoa

quarta-feira, agosto 31, 2011

Fé nos burros

Hoje tive o prazer de assistir a um documentário de qualidade superior sobre os burros e o Portugal profundo, no Hard Club-Porto.



Fé nos burros resulta de uma parceria entre a Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asínio e o fotógrafo (amigo da adolescência!) João Pedro Marnoto. O principal objectivo desta parceria é enaltecer a utilidade da relação homem-animal.
Visitem o site, vejam o trailer, comprem o livro. Tudo de qualidade superior!

sexta-feira, agosto 26, 2011

Shape of my heart




He deals the cards as a meditation
And those he plays never suspect
He doesn't play for the money he wins
He doesn't play for respect

He deals the cards to find the answer
The sacred geometry of chance
The hidden law of a probable outcome
The numbers lead a dance

I know that the spades are swords of a soldier
I know that the clubs are weapons of war
I know that diamonds mean money for this art
But that's not the shape of my heart

He may play the jack of diamonds
He may lay the queen of spades
He may conceal a king in his hand
While the memory of it fades

I know that the spades are swords of a soldier
I know that the clubs are weapons of war
I know that diamonds mean money for this art
But that's not the shape of my heart

And if I told you that I loved you
You'd maybe think there's something wrong
I'm not a man of too many faces
The mask I wear is one

Those who speak know nothing
And find out to their cost
Like those who curse their luck in too many places
And those who fear are lost

I know that the spades are swords of a soldier
I know that the clubs are weapons of war
I know that diamonds mean money for this art
But that's not the shape of my heart

segunda-feira, agosto 22, 2011

BONECA DE CROCHÊ...


Um homem e uma mulher estavam casados por mais de 60 anos. 
Eles tinham compartilhado tudo um com o outro e conversado sobre tudo. Não havia segredos entre eles, com exceção de uma caixa de sapato que a mulher guardava em cima de um armário e tinha avisado ao marido que nunca abrisse aquela caixa e nem perguntasse o que havia nela. Por todos aqueles anos ele nunca nem pensou sobre o que estaria naquela caixa de sapato. Um dia a velhinha ficou muito doente e o médico falou que ela não sobreviveria. Sendo assim, o velhinho tirou a caixa de cima do armário e a levou pra perto da cama da mulher. Ela concordou que era a hora dele saber o que havia naquela caixa. Quando ele abriu a tal caixa, viu 2 bonecas de crochê e um pacote de dinheiro que totalizava 95 mil dólares. Ele perguntou a ela o que aquilo significava, ela explicou; - Quando nós nos casamos minha avó me disse que o segredo de um casamento feliz é nunca argumentar/brigar por nada. E se alguma vez eu ficasse com raiva de você que eu ficasse quieta e fizesse uma boneca de crochê. O velhinho ficou tão emocionado que teve que conter as lágrimas enquanto pensava 'Somente 2 bonecas preciosas estavam na caixa. Ela ficou com raiva de mim somente 2 vezes por todos esses anos de vida e amor.' - Querida!!! - Você me explicou sobre as bonecas, mas e esse dinheiro todo de onde veio? - Ah!!! - Esse é o dinheiro que eu fiz com a venda das bonecas, só sobraram duas.

quinta-feira, agosto 04, 2011

Celebrando um dia muito bom!

O dia de hoje merece festa e partilha!

Poucos minutos depois de acordar recebi uma sms a relatar o nascimento da 3ª bebé de uns amigos do coração.
Cheguei ao trabalho, preocupada com uma situação do dia anterior, e praticamente salvei uma vida! Bom, salvar, salvar não foi bem comigo, mas dei um bom mote, mobilizando cerca de 10 pessoas que isso acontecesse. Todas se comprometeram naquilo que lhes competia e salvamos uma vida juntos!
A manhã ia a meio e recebi uma notícia que tirou uma pedra gigante debaixo do meu pé! Partilhei essa notícia e ainda recebi um bom desejo!
Durante a tarde trabalhei numa actividade que me dá tal prazer, que me faz sentir actor num palco, artista em cena, enfim, divierti-me durante quase 2 horas a dar saúde a outros!
Terminei o dia em boa companhia, numa caminhada ao por do sol morno, com uma bela paisagem que trouxe algumas emoções aos olhos e um jantar muito acolhedor!

Gratificada

quarta-feira, julho 27, 2011

Passo a passo

“Aquilo que nos salva é dar um passo. Depois um outro. É sempre o mesmo passo, mas é necessário fazê-lo”  

Saint Exupery

quarta-feira, junho 29, 2011

Chegada do Caminho


No ponto zero reflecti sobre o que será mais importante: a chegada ao fim do caminho ou todos os passos dados para lá chegar?! Preenche-nos mais a chegada, o fim, a realização dos objectivos ou contruímos-nos mais daquilo que nos faz chegar ao destino? Ou será este ponto zero a partida para novos caminhos?!

Bons caminhos! Ou em latim Ultreia

segunda-feira, maio 09, 2011

Um presente especial! Dia 13 de Maio

Humm, demorei uns segundos... ou... 36 anos a chegar a esta conclusão! Ou talvez, em teoria já o soubesse, no meu íntimo também, mas desta vez algo me impulsionou a colocar em prática! Passo a explicar:

Tenho sido daquelas pessoas que costuma ser das primeiras a elaborar e apresentar a sua lista de Natal, que para os aniversários começa antecipadamente a pensar nos seus presentes desejados. Anuncio para que ninguém tenha dúvidas ou dificuldades de escolha. Como o meu tempo é muito utilizado em diversas actividades, não resta muito para trocas em lojas e afins. Mais vale que acertem à primeira!

Este ano começou por não ser muito diferente disto mesmo. Vi uma carteira! Estou mesmo a precisar de acrescentar alguns toques ao meu kit de maqueagem. E aquele livro!...

...Um dia da semana passada a minha rotina foi diferente do habitual. Trabalhei até às 20h e vim para casa relaxar. Enquanto preparava um banho fui conversando comigo. Enquanto ouvia música fui percebendo que estava bem tranquila, serena, em paz. Estava mesmo a colocar o pé na água quando senti: tenho tudo o que preciso. E para me sentir bem assim, tal como estou agora, não preciso de mais nada do que o que já tenho. E afinal não tenho a tal carteira (amarela, vejam só!), a máscara está mesmo a terminar, o perfume também e o livro hei-de lê-lo de qualquer forma! E se eu quiser mesmo tudo isto, porque sim, porque me apetece, porque mereço, tenho a felicidade de poder ir buscar ao local onde se vende. Então tenho tudo. Ou quase tudo! E o que não chegou ainda, há-de chegar.

Tudo isto durou uns pouquinhos segundos, porque logo de seguida chegou outro pensamento encadeado. Já tinha o pé na água e estava a queimar, mas mantive-me concentrada no meu desejo! A todos os que estariam a pensar oferecer-me algo palpável, que vem em embrulhos e com laços vou pedir para oferecerem algo que desejem a outro alguém. Vou deixar algumas sugestões, mas sintam-se com toda a liberdade para escolherem o que mais desejarem, com quem mais se identificarem.

A todos os que me vão telefonar, escrever mails, postar no facebook, muito obrigada! Vou adorar receber tudo isso e peço que o façam a mais alguém de quem muito gostem nesse mesmo dia - mãe, pai, irmão/ã, namorado/marido/companheiro, filho(s), madrinha, amigo (a) enfim, a escolha é vossa! Contactem essa vossa pessoa de escolha no dia do meu aniversário, pensando no vosso sentimento por ela, partindo da lembrança de mim mesma!

Já estava com os dois pés na água (para verem como os pensamentos correm mais rápido do que a escrita!) e lembrei-me do filme "Favores em cadeia", de uma história em que uma personagem consegue uns milhares para ajudar outra, de outras e outras histórias tão idênticas a esta minha ideia. Mas manteve-se a minha ideia, que veio de um nada, que surgiu naturalmente depois de um dia atarefado, enquanto falava comigo, me preparava para relaxar. Já estava relaxada e o banho ainda a começar.

Lembrem-se: 13 de Maio

Sugestões:


http://www.thehungersite.com/clickToGive/home.faces?siteId=1&link=ctg_ths_home_from_ths_thankyou_sitenav


Contacto: projectoajudaanimal@gmail.com
001900460020002274887 do BBVA, porque também precisamos de dinheiro para tratar e esterilizar animais poderão também ajudar fazendo transferencia bancaria
Obrigado em nome dos Patudos



A vossa Paróquia!!!


Médicos do Mundo, Porto - Fui lá voluntária! Peçam recibo!


Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral - motivações familiares! Peçam recibo!


A vossa caixinha de poupanças!!!



Um beijo a todos de obrigada!



domingo, abril 17, 2011

Gimnocerco tem talento! E o "stôr" Sérgio também!



PARABÉNS PROFESSOR SÉRGIO!!!

Só hoje percebi que  aquele que foi o meu professor de ginástica favorito de todos os tempos tem vindo a demonstrar o seu talento num programa televisivo. E disse tudo na entrevista: 50% actividade física, 50% afectividade, aquela paixão que vem do coração e que nos faz ser sempre melhores naquilo que já somos!
Parabéns professor!
Não posso deixar de realçar a importância acrescida que esta modalidade apresentada tem para estes jovens, ou não viessem eles de uma zona socialmente desfavorecida.

...Oh "stôr, stôr"! Eu cá continuo a praticar exercício físico! Agora é mais Tai chi, Chi Kung e Yoga. Para estas modalidades o corpinho ainda vai dando!!! E lembra-se da espargata lateral à direita?! Ainda a faço!!!

sábado, março 19, 2011

Japão

Quem me vai conhecendo sabe o quanto vou alargando o meu poder pessoal de empatia para com o outro, associado a uma crescente espiritualidade. Isto faz-me ler, ouvir e participar em comunidades que me ajudam a aplicar esta forma de estar na vida.

Nos últimos dias tenho aproveitado os meus tempos de condução para pensar no Japão, nos japoneses e nos seres humanos de todas as nacionalidades que habitam este país. Comecei por enviar os meus pensamentos aos 50 engenheiros que tentavam arrefecer o reactor nuclear, mas achava que era redutor pensar só neles. Entretanto, o nº de engenheiros aumentou para cento e tanto e alarguei o meu pensamento de força e coragem a todo esse cento. Vi uma reportagem na tv e percebi que continuava com pensamento redutor, tantas famílias a perder entes queridos, os que estava a viver em escolas, com água e alimentos racionados, o relato de um sr que falava sobre como as pessoas vivem cansadas pelas condições em que estão, o casal que procura o irmão e cunhado e até a rua onde moravam é dificil de identificar e o cão-herói que permaneceu ao lado da sua companheira ferida até serem socorridos. E vi como os socorristas pegavam com carinho nas crianças e fazem o seu trabalho sem hesitar e sem medo de serem irradiados também.
Percebi então que as minhas preces estavam a ser escassas e não muito estruturadas.

Hoje recebi duas cartas que talvez ajudem. Dizem assim:


"I have just returned from a trip "home" to Ghana and am slowly re-entering my life here. The change of pace, culture, lifestyle and rhythm takes a moment to adjust to.  I am always reminded when I travel of the power of contrast and how experiencing the rhythm of another culture provides an invaluable perspective on your life and choices. 
Since I have been back, I have been watching news reports on the earthquake and tsunami in Japan and the aftermath with the nuclear reactor.  I have been struck by the continual emphasis on fear and disaster in the media. As you watch and listen to stories of the people in Japan, many of you may have asked yourself "how can I best help", like I have.  So I wrote to Jennifer Rodriquez, a member of our own community who is living and teaching in Japan to ask her how we could best support our Japanese brothers and sisters at this time.  Read Jennifer's account in Feature Article.

Blessings and Expect a Miracle,
"


Letter from Japan by Healthier Living Community Member, Jennifer Rodriquez
nullJennifer Rodriguez is an American living in Japan for 5 years. She is an ESL Instructor (English as a Second Language) in Japan and a member of our community. This is what she had to say: 
"Things are stressful here because of the constant threat of radiation exposure but surprisingly the Japanese are remaining calm and despite what the mass media abroad says, no one is leaving en masse and people are facing the issue with a philosophical calm that I believe can only be possible of a country with a Buddhist background.  There's no rioting, looting, nor anger being expressed at the government.  People here continue to have faith and hope that the workers at the plant will find a way to cool those reactors and avert nuclear disaster.  And even with this big threat looming in the background, the Japanese carry on with their daily lives.
Being in Japan at this time and our connecting has been a powerful
lesson for me about believing and manufacturing optimism for
yourself even when all evidence points to there being no hope and
all logic seems to say you should lose hope.  I'm still in Tokyo
despite pleas from my family and friends to get out, because I
believe that all will turn out well in the end and I'm very hopeful.  I continue to believe and I believe the Universe sends me small messages not to lose hope.  
There are food shortages but somehow the supermarkets are still finding some way to get us fresh fish, vegetables and meat every day.  How?  I don't know.  It's almost like they pull it out of thin air.  Just when you think the food is going to run out, the next day they scrouge up some more from somewhere.  It just goes to prove that the Universe is really an abundant place even in the face of disaster!
Adoley, do you know what could really help in this moment?  If you rounded up all the members of your community and formed a special prayer circle to send energy and inspiration to all the workers at the Fukushima Power Plant that they persevere and find a way to cool those reactors and avert disaster.  Visualize Japan ending this threat safely and without horrible consequences.  See Japan as a happy country with the threat gone. 
I honestly believe that if you and all the conscious people of this planet did that, then some solution would present itself to the workers or arrive in some shape or form. 
The more positive collective energy we could get for Japan, the more it would help improve the situation and counterbalance all the negativity and sensationalism of the General Media which has just been shamelessly promoting panic and desperation about Japan.
The more spiritual leaders with communities such as yourself that you could contact and have them visualize and pray for a safe end to this threat, the more possibility of a better outcome.  Then that would be wonderful and give the situation more positive power.
....This is not for me but for the country of Japan and consequently the world at large.  If workers at that plant do not receive any kind of special help, they will not be able to continue forward and find a solution. Many of them have exposed themselves to unsafe levels of radiation and there's no doubt that at some point, they will contract cancer and die.  Yet they even though they know this, they selflessly devote themselves to concentrating on the task at hand and have accepted the risk of sacrificing their lives because they know that all humanity is at risk if they do not persevere. 
....I actually feel more positive about this situation and even though, it seems grim now, I have honest hope and faith that all will turn out in the end and this situation will end safely.  In part that's why I choose to stay and not run away.  I have faith." ~ Jennifer


Lua cheia de sábado é a maior dos últimos 18 anos - Sol

Lua cheia de sábado é a maior dos últimos 18 anos - Sol

domingo, fevereiro 13, 2011

terça-feira, janeiro 25, 2011

Mozart e a criatividade

A propósito de uma formação de coaching, na qual me envolvi recentemente, tenho ouvido falar da importância de ser criativo. A criatividade abre-noos a portas para novas e outras soluções quando as já experimentadas não resultam mais, quando o cenário muda sem estarmos a contar.
Uns dias depois, num programa de rádio transatlântico diziam que Mozart é uma excelente forma de exercitar o "músculo" (sim, é como um músculo que se treina!) da criatividade.
Hoje, o pai enviou isto!




De tanto ouvirem, estes senhores tornaram-se excelentes criativos

segunda-feira, janeiro 17, 2011

Entrelaçar

Os amigos são assim, inspiradores dos nossos próprios pensamentos. A Joana enviou, eu "bloguei"!

“Foi então que apareceu a raposa.
- Olá, bom dia! - disse a raposa.
- Olá, bom dia! - respondeu delicadamente o principezinho que se voltou mas não viu ninguém.
- Estou aqui - disse a voz - debaixo da macieira.
- Quem és tu? - perguntou o principezinho. - És bem bonita...
- Sou uma raposa - disse a raposa.
- Anda brincar comigo - pediu-lhe o principezinho. - Estou tão triste...
- Não posso ir brincar contigo - disse a raposa. - Não estou presa...
(...)
- O que é que "estar preso" quer dizer - disse o principezinho?
(...)
- É a única coisa que toda a gente se esqueceu - disse a raposa. - Quer dizer que se está ligado a alguém, que se criaram laços com alguém.
- Laços?
- Sim, laços - disse a raposa. - Ora vê: por enquanto, para mim, tu não és senão um rapazinho perfeitamente igual a outros cem mil rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu também não precisas de mim. Por enquanto, para ti, eu não sou senão uma raposa igual a outras cem mil raposas. Mas, se tu me prenderes a ti, passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo para mim. E, para ti, eu também passo a ser única no mundo...
- Parece-me que estou a começar a perceber – disse o principezinho. – Sabes, há uma certa flor... tenho a impressão que estou preso a ela...
(...) a raposa voltou a insistir na sua ideia:
- Tenho uma vida terrivelmente monótona. Eu, caço galinhas e os homens, caçam-me a mim. As galinhas são todas iguais umas às outras e os homens são todos iguais uns aos outros. Por isso, às vezes, aborreço-me um bocado. Mas, se tu me prenderes a ti, a minha vida fica cheia de sol. Fico a conhecer uns passos diferentes de todos os outros passos. Os outros passos fazem-me fugir para debaixo da terra. Os teus hão-de chamar-me para fora da toca, como uma música. E depois, olha! Estás a ver, ali adiante, aqueles campos de trigo? Eu não como pão e, por isso, o trigo não me serve de nada. Os campos de trigo não me fazem lembrar de nada. E é uma triste coisa! Mas os teus cabelos são da cor do ouro. Então, quando eu estiver presa a ti, vai ser maravilhoso! Como o trigo é dourado, há-de fazer-me lembrar de ti. E hei-de gostar do barulho do vento a bater no trigo...
A raposa calou-se e ficou a olhar durante muito tempo para o principezinho.
- Por favor...Prende-me a ti! - acabou finalmente por dizer.
- Eu bem gostava – respondeu o principezinho – mas não tenho muito tempo. Tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer...
- Só conhecemos as coisas que prendemos a nós – disse a raposa. – Os homens, agora, já não têm tempo para conhecer nada. Compram as coisas já feitas nos vendedores. Mas como não há vendedores de amigos, os homens já não têm amigos. Se queres um amigo, prende-me a ti!
- E o que é que é preciso fazer? - perguntou o principezinho.
- É preciso ter muita paciência. Primeiro, sentas-te um bocadinho afastado de mim, assim, em cima da relva. Eu olho para ti pelo canto do olho e tu não me dizes nada. A linguagem é uma fonte de mal entendidos. Mas todos os dias te podes sentar um bocadinho mais perto...
O principezinho voltou no dia seguinte.
- Era melhor teres vindo à mesma hora – disse a raposa. Se vieres, por exemplo, às quatro horas, às três, já eu começo a ser feliz. E quando mais perto for da hora, mais feliz me sentirei. Às quatro em ponto já hei-de estar toda agitada e inquieta: é o preço da felicidade! Mas se chegares a uma hora qualquer, eu nunca saberei a que horas é que hei-de começar a arranjar o meu coração, a vesti-lo, a pô-lo bonito...
(...)
Foi assim que o principezinho prendeu a raposa. E quando chegou a hora da despedida:
- Ai! - exclamou a raposa - ai que me vou pôr a chorar...
- A culpa é tua - disse o principezinho. - Eu bem não queria que te acontecesse mal nenhum, mas tu quiseste que eu te prendesse a mim...
- Pois quis - disse a raposa.
- Mas agora vais-te pôr a chorar! - disse o principezinho.
- Pois vou - disse a raposa.
- Então não ganhaste nada com isso!
- Ai isso é que ganhei! - disse a raposa. - Por causa da cor do trigo...
(...)
- Adeus...
- Adeus - disse a raposa. - Vou-te contar o tal segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos...
- O essencial é invisível para os olhos - repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.
- Foi o tempo que tu perdeste com a tua rosa que tornou a tua rosa tão importante.
- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa... - repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.
- Os homens já se esqueceram desta verdade - disse a raposa. - Mas tu não te deves esquecer dela. Ficas responsável para todo o sempre por aquilo que está preso a ti. Tu és responsável pela tua rosa...
- Sou responsável pela minha rosa... - repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.”

Antoine de Saint-Exupéry, in "O Princepezinho", capítulo XXI