domingo, janeiro 18, 2015

carimbo no passaporte # China 2013

                    Memórias de carimbos num passaporte que passou o prazo de validade


                                                                      China 2013

Quatro horas contam, certo?! Ou melhor quarto horas em Pequim (aeroporto), um voo de duas horas e duas horas em Guangzhou (aeroporto) contam como estar na China, certo?!
Foi mais ou menos como ler a placa de um destino e dizer-se que se esteve lá! 
Bom, deu direito a carimbo no passaporte. Dava até direito a um dia inteiro no país, mas estava em trânsito para outro destino! Deu direito a estar naquele país! (e à data não sabia que haveria de lá voltar com alguma brevidade! Mas esse é um carimbo que ainda está para vir!).
Em Pequim estava com fome e muito sono, depois de um voo de cerca de 13 horas, vindo de Amesterdão, onde já tinha estado 7 horas em trânsito, depois de ter chegado de Lisboa, onde estive 5 horas no chão à espera desse voo, depois de ter ido para a capital portuguesa no dia anterior, numa viagem de comboio de 3 horas a partir do Porto. Memórias estas as de Pequim! Misturadas com a vontade de sair do aeroporto e visitar a capital chinesa, onde estava -7ºC. E tinha fome e não tinha onde comprar alimentos. Dormi num banco do aeroporto de Pequim.
Mas a estada na China foi pródiga de memórias! No voo que me ligou a Guangzhou experimentei o sonoro comer dos chineses e a limpeza das fossas nasais. Não sei se foi pura coincidência misturada com preconceito meu, mas aconteceu. Com higiene, diga-se! Já que todo o entulho nasal foi guardado num delicado lenço de papel.
Estive em duas cidades (aeroportos) na China! 
Guangzhou foi a segunda. Onde até já estive duas vezes, porque na viagem de regresso repeti esta cidade.
O melhor de Guangzhou foram as pessoas! Verdade! Mas não os chineses, que esses não tive a oportunidade de conhecer. Mas foram a Susana que se dirigiu a mim ao perceber que íamos fazer parte do mesmo grupo de viagem. Afinal até já conhecíamos uma pessoa em comum, encurtando assim a teoria dos seis amigos para apenas um! Com a Susana já estavam a Teresa, a Anabela e a Isabel. Nessa altura o Luís, que já viajava comigo desde Lisboa (embora só nos tenhamos conhecido em Amesterdão) assustou-se e pensou, com os botões dele, e disse para os meus ouvidos "isto vai ser uma viagem no feminino". "Melhor para ti do que para mim", respondi! E nem ele ainda sabia quanto!